O comando da Organização Mundial de Saúde (OMS) voltou a demonstrar preocupação com o quadro da pandemia no Brasil, cobrando medidas “sérias” e “clareza” de autoridades e todos os envolvidos para enfrentar o problema. “A situação no Brasil certamente tem piorado, com incidência muito alta de casos e aumento das mortes pelo país, bem como uma elevação muito rápida na ocupação de UTIs e muitas áreas pelo país vendo lotar os leitos de UTIs”, afirmou o diretor executivo da entidade, Michael Ryan, durante entrevista coletiva virtual.

Ryan lembrou que em várias áreas do País os sistemas de saúde estão “bastante pressionados”, notando também o aumento das porcentagens de testes positivos para a doença.

Ele comentou o risco que isso representa, não apenas para as fronteiras nacionais. “O que acontece no Brasil importa, e importa globalmente.”

A OMS notou que, caso o quadro na emergência de saúde continue a piorar no País, isso terá impacto em outras nações da região. “Certamente gostaríamos de ver o Brasil indo em direção diferente, mas será necessário um grande esforço para isso”, disse Ryan, completando que vê o sistema de saúde local “consideravelmente pressionado”.

Segundo ele, muitos países nas Américas se movem agora “em direção positiva” na pandemia, mas “não o Brasil”.

“Não tenho dúvida de que a ciência e o povo brasileiros podem contornar essa situação. A questão é: eles podem conseguir o apoio de que necessitam para fazer isso?”, questionou ainda Ryan

Preocupação com cepa

A epidemiologista responsável pela resposta da OMS à pandemia de covid-19, Maria Van Kerkhove, lembrou do fato de que uma cepa do vírus, a P.1, localizada inicialmente em Manaus, é “fonte de preocupação” e circula pelo País.

Segundo ela, a variante parece transmitir mais e há a sugestão segundo algumas pesquisas de que ela pode ser “mais severa”. Kerkhove disse que uma cepa mais contagiosa tende a colocar mais pressão sobre o sistema de saúde, mas notou que ainda assim o vírus “pode ainda ser controlado”, com medidas de saúde pública como máscaras, distanciamento social e lavagem de mãos.

Ela lembrou também que o diagnóstico do vírus continua a funcionar diante dessas novas cepas. Kerhove disse que as variantes devem continuar a surgir, por isso a entidade tem um sistema de monitoramento com a finalidade de monitorá-las.

Medidas sérias

Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus também comentou o quadro. Ele disse já ter visitado várias vezes e mencionou a capilaridade do sistema de saúde nacional, baseado nas comunidades. Ele comentou que “pensava que o sistema de saúde no Brasil poderia se sair melhor” na pandemia, dizendo estar “realmente intrigado” com o caso brasileiro. “A situação no Brasil nos deixa bastante preocupados, não apenas com a alta nos casos, mas também das mortes”, ressaltou.

Segundo ele, para conter o problema é necessária a adoção de “medidas sociais muito sérias” e também “uma mensagem clara” das autoridades sobre a situação e as medidas e também para fazer valê-las. “A situação no Brasil está ficando muito séria e, começando do governo, todas as partes devem levá-la a sério”, recomendou.

Tedros lembrou ainda na coletiva que, quando mais o vírus circular, maior a chance de que surjam cepas capazes de tornar a proteção das vacinas menos eficaz.