O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta segunda-feira, 20, que eventos adversos à vacina contra a Covid-19 existem, mas não são motivo para suspender a imunização. “Nós tivemos um evento adverso e, a mim, como autoridade sanitária, cabe avaliá-los. Esses eventos adversos à vacina existem e não são motivo para suspender campanha de vacinação ou relativizar seus benefícios. A autoridade sanitária tem que avaliar esses casos, até para que faça as notificações devidas”, declarou Queiroga na saída do hotel onde está hospedado em Nova York. O ministro foi questionado sobre o caso de uma adolescente que morreu após ser imunizada. O governo de São Paulo, no entanto, já anunciou que o óbito não tem relação com a vacina, mas com uma doença autoimune. Queiroga afirmou que o caso deve ser avaliado no âmbito do Ministério da Saúde. “Já adianto, mesmo que tenha sido um evento adverso ligado a vacina, não invalida a vacinação. O que o governo já defendeu, desde a nota 36, é que os adolescentes deveriam vir depois. A gente precisa avançar nos acima de 18 anos. É uma questão de prioridade e de logística”, declarou.