Porteiro é morto após assalto em ponto de ônibus na Zona Sul de SP

0
0


Ricardo Barros, de 38 anos, não reagiu e entregou o celular. Criminosos fugiram em moto. Latrocínios cresceram na capital. Porteiro é assassinado após assalto em São Paulo
Um porteiro de 38 anos foi morto após um assalto no final da tarde deste domingo (19), no bairro da Pedreira, na Zona Sul de São Paulo.
Ricardo Barros estava no ponto de ônibus, a caminho do trabalho, em Moema. Ele foi abordado por dois homens em uma moto, que anunciaram o assalto. Segundo testemunhas, ele não reagiu, entregou o celular, e ainda assim foi baleado no peito. Ele morreu no local.
Neto do narrador Luciano do Valle morre após ser baleado na cabeça em assalto em SP
Vídeo mostra arrastão que deixou um comerciante morto na Rua Oscar Freire
Câmera de segurança registra latrocínio de advogado que passeava com cachorro na Zona Oeste
Os criminosos fugiram. A polícia informou que irá analisar as câmeras de segurança da região para tentar identificar os assaltantes.
Ricardo completaria 39 anos nesta segunda-feira (20). Ele deixa a esposa, com quem estava há 15 anos, e duas filhas, de 9 e 13 anos.
Ricardo Barros foi morto em assalto na Pedreira, na Zona Sul de SP. Porteiro estava a caminho do trabalho
Reprodução/TV Globo
Aumento de latrocínios
Casos de latrocínio – roubo seguido de morte – cresceram 18% de janeiro a julho na capital, em comparação com o mesmo período do ano passado. Segundo a Secretaria da Segurança Pública do estado (SSP), 33 pessoas morreram neste ano após esse tipo de crime, cinco a mais do que em 2020.
Outros casos recentes também chamaram atenção. No mês passado, o comerciante Leonardo Iwamura, de 43 anos, morreu durante um arrastão na Rua Oscar Freire. No fim de agosto, o advogado Rafael de Paula Carneiro Ribeiro, de 45 anos, passeava com a namorada e o cachorro, quando reagiu a um assalto e morreu, no Pacaembu, Zona Oeste.
Bruno Langeani, gerente do Instituto Sou da Paz, chama atenção para outro dado, o de roubos. Só em julho, a capital registrou, em média, 14 casos por hora. Para ele, é preciso mais rigor nas investigações.
“O estado precisa ter uma estratégia forte de retirada de arma de fogo de circulação. A segunda coisa, é preciso que a Polícia Civil dê uma prioridade para esses casos de roubo com o uso de arma de fogo. Com a retirada desses roubadores de circulação, você diminui muito essas ocorrências do crime de latrocínio”, afirmou.