Internado no Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário de São Paulo, na Zona Norte da capital, desde o dia 9 de abril, o detento José Márcio Felício, conhecido como “Geleião”, morreu por complicações da Covid-19 na manhã desta segunda-feira, 10. Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária do Estado, ele cumpria pena na Penitenciária de Iaras. Felício, que tinha 60 anos, ganhou notoriedade na década de 1990 por ter sido um dos fundadores do Primeiro Comando da Capital (PCC) e foi preso pela primeira vez em 1979, cometendo e comandando uma série de crimes dentro da cadeia, o que aumentou a sua pena. Ele era o último detento vivo dos sete que fundaram no ano de 1993, na Casa de Custódia de Taubaté, o PCC. Geleião foi expulso do grupo criminoso no ano de 2006 e passou a delatar ex-companheiros de crime, mas antes disso comandou o grupo por cerca de uma década. Segundo a SAP, um boletim de ocorrência registrou a morte do detento e a família dele foi avisada.