Audi A4 foi localizado pelos policiais que investigam o caso na garagem de uma residência na Zona Norte. Veículo deverá ser apreendido nesta quarta (11) para ser periciado. Vídeo gravou no sábado (7) momento que motorista de automóvel idêntico discute com advogado Daniel Mourad Mazjoub, que é baleado na frente da família. Condutor fugiu e é procurado. Polícia Civil encontra carro Audi que pode ter sido usado por motorista suspeito de balear e matar advogado Daniel Mourad Mazjoub na Zona Norte de São Paulo
Reprodução/Polícia Civil
A Polícia Civil encontrou nesta terça-feira (10) um carro que pode ter sido usado pelo motorista suspeito de balear e matar um advogado na frente da família da vítima durante discussão no trânsito, no final de semana, em Santana, na Zona Norte de São Paulo.
O crime foi cometido na noite do último sábado (7). O advogado Daniel Mourad Mazjoub, de 47 anos, não resistiu ao ferimento e morreu. Uma câmera de segurança gravou o momento que a vítima saiu do seu Jeep Compass branco e foi tirar satisfações com o condutor do Audi A4 prata, no semáforo da Avenida Nova Cantareira (veja vídeo abaixo).
Um Audi foi localizado pelos policiais que investigam o caso na garagem de uma residência em Tremembé, também na região Norte da capital. Eles permaneciam no local nesta manhã desta quarta-feira (11) à espera de uma autorização da Justiça para apreendê-lo e levá-lo para perícia na delegacia.
Polícia investiga assassinato de advogado morto com um tiro na frente da família
O caso é investigado como homicídio doloso pelo 20º Distrito Policial (DP), Água Fria. A investigação já identificou o suspeito, mas não divulgou seu nome. Ele é um comerciante. A Justiça também decretou a prisão temporária dele, que negociava com seu advogado uma rendição ainda nesta quarta.
“A autoridade policial está em tratativas com o representante legal do suspeito, já identificado, para que ele se apresente na unidade territorial”, chegou a informar a Secretaria da Segurança Pública (SSP) por meio de nota divulgada por sua assessoria de imprensa na segunda-feira (9).
O condutor do Audi havia fugido após supostamente atirar no advogado Daniel na frente da esposa e do filho dele, um adolescente de 17 anos. Investigadores também procuram o suspeito para tentar prendê-lo.
“Estamos investigando o caso para tentar prender o investigado”, falou nesta terça-feira (10) o delegado seccional Hélio Bressan, responsável pelo 20º DP.
A investigação analisou as imagens das câmeras de segurança para identificar e localizar o suspeito pelo assassinato, que foi embora após o crime. Pelas imagens, é possível ver Daniel descendo do seu Jeep e indo até o Audi. Há um movimento dele em direção ao motorista do Audi e, neste momento, ele é atingido por um disparo e volta caminhando mais lentamente para o seu carro. O Audi sai em alta velocidade depois.
O que os amigos dizem
Daniel Majzoub, 47 anos, morto a tiros após discussão de trânsito na Zona Norte de São Paulo, neste sábado (7)
Reprodução/Redes Sociais
Segundo amigos da vítima, eles souberam que o condutor do Audi teria “fechado” o automóvel do advogado na avenida, e Daniel foi tirar ‘satisfações’.
A esposa do advogado e o filho mais velho do casal, de 17 anos, ficaram dentro do Jeep e viram quando Daniel caiu no chão. Ele ainda chegou a ser socorrido com vida por uma ambulância. Foi levado ao Pronto Socorro do Hospital São Camilo, mas não resistiu ao ferimento e morreu depois, de acordo com a Secretaria da Segurança.
O vereador Fernando Holiday (Novo), um dos amigos da vítima, chegou a fazer uma postagem na sua rede social no Instagram para lamentar o assassinato de Daniel. O advogado era neto de libaneses.
“Gostaria de deixar registrado que o Daniel era um exemplo para todos e em especial para comunidade árabe de São Paulo. Se preocupava com o próximo e era caridoso. Espero que a polícia consiga esclarecer esse crime”, falou o político nesta segunda-feira (9) ao G1.
Audi encontrado pela polícia que pode ter sido usado no crime que resultou no assassinato de advogado em São Paulo
Reprodução/Polícia Civil
Enterro e armas
O advogado foi enterrado no domingo (8) no Cemitério Islâmico de Guarulhos, na Grande São Paulo. Ele deixa a esposa e três filhos (de 17 anos, 2 anos e 1 ano), segundo amigos. A arma do crime ainda não foi identificada e apreendida.
O Brasil dobrou o número de armas nas mãos de civis em apenas três anos, de acordo com dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública.
Em 2017, segundo a Polícia Federal, o Sistema Nacional de Armas (Sinarm) contabilizava 637.972 registros de armas ativos. Ao final de 2020, o número subiu para 1.279.491 – um aumento de mais de 100%.