Moradores de 12 a 17 anos sem comorbidades podem continuar se imunizando em Santos, São Vicente, Guarujá, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe. Após ministério pedir suspensão, Baixada Santista segue estado e mantém vacinação de adolescentes
Divulgação
Seis cidades da Baixada Santista, no litoral de São Paulo, informaram nesta quinta-feira (16), que seguirão a orientação do governo estadual e vão manter a vacinação contra a Covid-19 de adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidades. Apenas Mongaguá respondeu que iria suspender a imunização e Praia Grande e Bertioga não responderam.
Santos, São Vicente, Guarujá, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe informaram que vão continuar a imunização deste grupo, seguindo o Governo do Estado, que determinou que a vacinação seja mantida (veja nota abaixo). A medida é contrária a nota técnica do Ministério da Saúde, que voltou atrás e passou a recomendar que a imunização para esta faixa etária seja feita apenas ao grupo que possui comorbidades, doenças permanentes ou que estejam privados de liberdade.
Santos informou que continuará a vacinar normalmente os adolescentes a partir de 12 anos com a vacina Pfizer, imunizante aprovado pela Anvisa para atender a faixa etária. Até o momento, foram 13.235 vacinados com essas idades.
As prefeituras de São Vicente, Guarujá, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe também informaram que vão seguir a recomendação do governo estadual. Apenas Mongaguá suspenderá. Em nota, a administração municipal comunicou que a vacinação dos adolescentes, que aconteceria na segunda-feira (20), está suspensa. Praia Grande e Bertioga não informaram o G1 até a última atualização desta reportagem se irão paralisar ou prosseguir com a imunização para esta faixa etária.
Estado
O Ministério da Saúde publicou uma nota informativa nesta quarta-feira (15) em que volta atrás sobre a vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidades. Agora, a orientação do ministério é que não seja feita a vacinação deste grupo.
A vacinação deve ficar restrita a três perfis específicos: adolescentes com deficiência permanente, adolescentes com comorbidades e adolescentes que estejam privados de liberdade. A nota informativa desta quarta contraria um outro posicionamento publicado pela pasta em 2 de setembro, que recomendava a vacinação para esses adolescentes a partir do dia 15.
Já o Governo de SP informou, em nota, que continuará vacinando os adolescentes de 12 a 17 anos de idade por recomendação do Comitê Científico do Estado. A imunização começou no Estado no dia 18 de agosto e já foram imunizadas cerca de 2,4 milhões de pessoas, ou seja, 72% deste público.
O governo estadual diz lamentar a decisão do Ministério da Saúde, que vai na contramão da orientação do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass) e de autoridades sanitárias de outros países.
“A vacinação nessa faixa etária já é realizada nos EUA, Chile, Canadá, Israel, França, Itália, dentre outras nações. A medida cria insegurança e causa apreensão em milhões de adolescentes e famílias que esperam ver os seus filhos imunizados, além de professores que convivem com eles”, diz a Secretaria de Saúde do Estado do São Paulo.
VÍDEOS: as notícias mais vistas do G1