Prefeitura alerta que há transmissão da doença em todas as regiões e pede intensificação no combate aos criadouros do mosquito Aedes aegypti. Campinas soma 2.230 casos de dengue nos primeiros sete meses de 2021
Reprodução/EPTV
A Prefeitura de Campinas (SP) divulgou nesta quarta-feira (8) que registrou neste ano 2.274 casos confirmados de dengue no município – em agosto, foram 10 novos infectados, menor número no comparativo mês a mês – veja abaixo:
Janeiro: 92
Fevereiro: 252
Março: 510
Abril: 800
Maior: 487
Junho: 101
Julho: 22
Agosto: 10
De acordo com o Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa), a cidade apresenta coeficiente de incidência de 186 casos para cada 100 mil habitantes, sem notificação de mortes pela doença neste ano.
O levantamento que considera dados até 6 de setembro mostra que a região com maior número de casos é a Sudoeste, com 610; seguida pela Sul, com 472; e, em terceiro, a região Leste, com 456 casos de dengue. As regiões Norte e Noroeste têm, respectivamente, 438 e 298 confirmações.
“Os dados mostram que em toda a cidade há áreas de transmissão, alertando para a necessidade de intensificar o combate à dengue com a participação de toda a sociedade. Cada cidadão precisa fazer a sua parte, destinando corretamente os resíduos e evitando criadouros”, diz o comunicado.
A doença é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. O morador que apresentar sintomas de dengue – febre alta e repentina, dores no corpo, manchas vermelhas, vômito ou diarreia – deve procurar uma das unidades de saúde da cidade.
Como prevenir
Evitar acúmulo de água, latas, pneus e outros objetos. Os vasos de flores devem ter a água trocada a cada dois dias.
As caixas d’água e outros recipientes usados para armazenar água devem ser vedados.
Vasos sanitários que não estão sendo usados devem ficar fechados.
VÍDEOS: veja o que é destaque na região de Campinas
Veja mais notícias da região no G1 Campinas