Vice na chapa de Covas, Nunes foi acusado de violência doméstica, ameaça e injúria pela esposa em 2011; O candidato à reeleição pelo PSDB afirma que episódio já foi esclarecido pela esposa de Nunes e argumenta que o vice dele representa todos os partidos coligados com o PSDB no 1º turno. Bruno Covas (PSDB) em agenda de campanha no Capão Redondo nesta terça-feira (24).
Reprodução/TV Globo
O candidato a reeleição Bruno Covas (PSDB) disse nesta terça-feira (24) que associar o candidato a vice na chapa dele, Ricardo Nunes (MDB), a um episódio de violência contra a mulher é “descabido”.
Nunes foi acusado de violência doméstica, ameaça e injúria pela esposa em 2011. Regina Carvolane chegou a registrar de boletim de ocorrência contra o vereador na 6ª Delegacia da Mulher, em Santo Amaro, na Zona Sul da cidade.
Covas saiu em defesa de Nunes durante agenda de campanha depois de uma sabatina na rádio CBN, onde o assunto já tinha sido perguntado ao candidato.
“O Ricardo Nunes representa uma coletividade de partidos que somaram conosco ao longo do primeiro turno desde o início da campanha, eu não tenho nenhum problema com a escolha que foi feita dele”, afirmou Covas nesta terça (24).
O prefeito foi questionado porque não escolheu uma mulher para o cargo de vice, em nome da representatividade, mas disse que “uma coisa é discutir em tese algo importante para poder representar a diversidade que temos na cidade de São Paulo”, mas que fechou o apoio de 10 partidos políticos, que ele chama de “uma grande frente ampla a favor da cidade de São Paulo”, e que o nome de Nunes representa não só o partido dele, mas toda a coligação.
“Foi importante alguém que representasse essa frente, um nome que não é apenas do MDB, mas de todos os partidos coligados que estão conosco. Volto a dizer, lamentável esse tipo de notícia, querer associar o Ricardo, uma pessoa que tem 8 anos de serviços prestados à comunidade e reconhecidos na Zona Sul de São Paulo. Querer associar ele a uma pessoa agressiva é algo totalmente descabido em relação a um episódio que aconteceu entre ele e a atual esposa, dez anos atrás. E que ela mesmo já refutou, disse que não aconteceu nenhum episódio de agressão.”
Na sabatina anterior à agenda desta terça-feira (24), na rádio CBN, o candidato do PSDB chegou a questionar jornalistas sobre a pergunta a respeito de Ricardo Nunes.
“É impressionante como vocês são pautados pela propaganda do PSOL. Fico horrorizado com isso, como gostam de acabar com vida a do meu vice sem denúncia. Não é possível que você traga isso aqui sem ter investigado”, afirmou.
2ª onda de Covid-19 em SP
Covas também foi perguntado sobre o aumento de casos de Covid-19 na cidade de São Paulo. Ele disse que vai “continuar a trabalhar ao lado da ciência” e citou a coletiva de imprensa na quinta-feira passada, onde divulgou números que indicariam estabilidade em número de casos e óbitos na cidade de São Paulo.
“Tivemos um aumento nas internações, mas esse aumento veio acompanhado de um cenário de redução de leitos, em especial na rede privada. Houve uma redução de 1.700 leitos para 1 mil leitos referenciados Covid. O próprio município vai voltar a ter mais 200 leitos referenciados para não deixar ninguém sem tratamento. Aqui na cidade de São Paulo não tivemos e não teremos cenas do médico escolher quem será ou não entubado. Aqui vivemos um momento de estabilidade, mas é importante as pessoas lembrarem que o vírus ainda é uma realidade a ser enfrentada”, afirmou o prefeito.
O candidato do PSDB disse ainda que “tenta ao máximo evitar aglomerações” durante as agendas de campanha nas ruas, mas que nem sempre é possível, principalmente “porque os vereadores eleitos acabam trazendo suas equipes e comitivas.”
VÍDEOS: 1º turno das eleições municipais 2020 em São Paulo
C