Registros são nos municípios de Valinhos e Itapira. No entanto, no caso deste último, a paciente havia se mudado há quatro meses e agora mora e trabalha em Mogi Mirim, cidade vizinha. Veja 5 pontos sobre a variante delta
A Secretaria Estadual de Saúde confirmou, na manhã desta sexta-feira (13), a existência de dois casos positivos da variante delta da Covid-19 na região de Campinas (SP). De acordo com a pasta, os registros foram identificados em Itapira (SP) e Valinhos (SP) e estão em “investigação epidemiológica” para saber se são autóctones, ou seja, contraídos nos próprios municípios, ou “importados” de outra cidade.
Estudos apontam que a variante é muito mais transmissível e tem maior probabilidade de evadir o sistema imunológico, responsável pelas defesas do nosso organismo. Segundo o governo estadual, o estado tem 288 casos da Delta no total e a identificação ocorre via sequenciamento genético. A forma de enfrentamento à nova mutação é manter os protocolos de segurança e acelerar cada vez mais a vacinação.
Variante delta: veja perguntas e respostas sobre transmissão, mutações, letalidade e vacinas
Em relação ao caso de Itapira, confirmado pela prefeitura na quinta-feira (12), a administração informou que a paciente, uma mulher de 37 anos, morava na cidade, mas há quatro meses se mudou para Mogi Mirim (SP), município vizinho. No entanto, quando ela fez o teste de Covid-19, entregou no laboratório o cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) que ainda não estava com o endereço atualizado. O estado não informou nada sobre uma eventual mudança de localidade do registro.
“A equipe da Vigilância fez uma investigação detalhada desde ontem e constatou o equívoco das informações divulgadas até o momento. O atendimento ambulatorial e coleta do exame aconteceram em Mogi Mirim e o cadastro no site Vacina Já da paciente também tem endereço da cidade vizinha”, diz o texto da nota de Itapira.
A Prefeitura de Mogi Mirim confirmou, também em nota, que a paciente agora mora e trabalha na cidade, cumpriu quarentena e está curada da doença. Além disso, o Executivo disse que o início dos sintomas ocorreu no dia 25 de julho. Ela teve tosse e dor no corpo. A mulher não viajou recentemente e também não recebeu nenhuma visita de fora do estado de São Paulo. Ela já tinha tomado a primeira dose da vacina.
A prioridade da administração agora é monitorar os contactantes, como colegas de trabalho da paciente que também tiveram Covid. “A intenção é saber se algum deles viajou ou se teve contato com pessoas de fora do Estado, para fechar um parecer sobre se houve ou não transmissão comunitária”, disse o governo municipal.
Valinhos
A Prefeitura de Valinhos confirmou o registro da variante Delta na cidade. A paciente, também uma mulher de 37 anos, passou pela Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município no dia 26 de julho com alterações olfato e paladar, dor de garganta, coriza e dor de cabeça.
A paciente está sendo monitorada pela equipe da Vigilância Epidemiológica da cidade desde a confirmação positiva da Covid.
“A Prefeitura de Valinhos tem adotado todas as ações necessárias ao enfrentamento da Covid, sobretudo neste ano de 2021. Foi enfrentada a pior fase da Pandemia na cidade, entre os meses de março e abril, com medidas até mais restritivas que o Estado e, na mesma medida, avançando o processo de vacinação, sendo uma das cidades mais avançadas na região”, diz o texto.
Variante delta desafia controle da pandemia no mundo
Getty Images via BBC
VÍDEOS: tudo sobre Campinas e Região
Veja mais notícias da região no G1 Campinas