Instituto Adolfo Lutz fez o sequenciamento genético dos três tripulantes do navio CS Crystal, que está em quarentena no Porto de Santos desde o final do mês de julho. Navio CS Crystal, de bandeira das Bahamas, foi imediatamente isolado após caso positivo de Covid-19, diz Usiminas
Reprodução/Marine Traffic
O Instituto Adolfo Lutz, da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, identificou três casos positivos da variante delta da Covid-19 em tripulantes de um navio que está no Porto de Santos, litoral paulista. A informação foi divulgada pela pasta nesta terça-feira (10). Este é o segundo navio internacional aportado na cidade que registra casos confirmados da variante.
Segundo o estado, o navio internacional CS Crystal, originário de Dakar, aportou em Santos no final do mês de julho, quando um tripulante passou mal e testou positivo para a Covid-19. Desde então, a embarcação foi mantida em quarentena e treze tripulantes foram infectados, ao todo.
O sequenciamento genético foi realizado a partir das amostras de RT-PCR destes três pacientes, que foram hospitalizados após autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e Porto de Santos. A confirmação chegou nesta segunda-feira (9). Com este caso, a cidade de Santos totaliza seis casos confirmados da variante, sendo que cinco deles são de tripulantes de navios do exterior.
Na última semana, outros dois casos da variante delta foram identificados em tripulantes do navio internacional MTM Southport, conforme informação divulgada no dia 2 de agosto. De acordo com a Secretaria de Saúde, os casos se configuram como provável importação do vírus e a confirmação é representativa para a circulação desta variante entre os tripulantes desta embarcação.
A pasta da Saúde informa que o Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) estadual, o Grupo de Vigilância da Baixada Santista, o município de Santos e a Anvisa, monitoram os casos e o cenário local. As condutas de isolamento, monitoramento, diagnóstico e assistência são as mesmas já realizadas e recomendadas pelas autoridades sanitárias.
VÍDEOS: as notícias mais vistas do G1