Anne Cipriano Frigo deixou a prisão nesta terça (10). Empresária é acusada de contratar o corretor de imóveis Carlos Alex Ribeiro de Souza para matar o namorado dela, o segurança Vitor Lúcio Jacinto, em 16 de junho em São Paulo. A mulher nega o crime. O homem, que continua detido, confessou que a empresária mandou matar o companheiro porque este a traía com outras mulheres. A empresária Anne Cipriano Frigo e o namorado, o segurança Vitor Lúcio Jacinto. Ao lado, o corretor de imóveis Carlos Alex Ribeiro de Sousa. A empresária e o corretor foram presos por suspeita de envolvimento no assassinato do segurança em São Paulo
Reprodução/Redes sociais
A Justiça mandou soltar nesta terça-feira (10) a empresária Anne Cipriano Frigo, de 46 anos, que estava presa preventivamente acusada de contratar o corretor de imóveis Carlos Alex Ribeiro de Souza, de 28, para matar seu companheiro, o segurança Vitor Lúcio Jacinto, 40, em 16 de junho em São Paulo.
Carlos confessou ter atirado nas costas de Vitor quando os dois foram olhar um imóvel para comprar e continua preso preventivamente. O corpo da vítima foi encontrado em 18 de junho, parcialmente queimado, perto da represa de Guarapiranga, na Zona Sul. O corretor declarou à Polícia Civil que foi contratado por Anne para assassinar o namorado dela porque ele a traía com outras mulheres. Pelo crime, receberia R$ 200 mil. O dinheiro, no entanto, não teria sido pago.
Em seu interrogatório, Anne negou à investigação ter contratado Carlos para matar Vitor, que era amigo do casal. Ela tinha uma união estável com o segurança e afirmou que o corretor se sentia atraído por ela e lhe confessou que cometeu o crime por conta própria.
Empresária encomenda assassinato do namorado
Atualmente, a empresária e o corretor são réus no processo pelo qual respondem por homicídio doloso qualificado, roubo, ocultação de cadáver e fraude processual. Anne e Carlos haviam sido presos em 29 de julho.
Em sua decisão de revogar a prisão preventiva de Anne, o juiz Marcus Alexandre Manhães Bastos, determinou algumas medidas cautelares, entre elas, que a ré entregue seus passaportes; não deixe a capital sem autorização judicial; permaneça em sua residência aos finais de semana, feriados e durante a noite; e também não frequente estabelecimentos que vendam bebidas alcoólicas.
De acordo com a acusação feita pelo Ministério Público (MP), há outras provas do envolvimento de Anne e Carlos no assassinato de Vitor além da confissão do corretor. São vídeos de câmeras de segurança, depoimentos de testemunhas que relatam que a empresária e o segurança discutiam e trocas de mensagens de celular entre os investigados e parentes da vítima.
Os celulares dos acusados foram apreendidos. Segundo o Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), Carlos usou o celular da vítima para trocar mensagens com a empresária. Os acusados também teriam se passado por Vitor após seu assassinato, respondendo recados dos parentes dele.
Empresária Anne Cipriano Frigo chega dentro de carro da Polícia Civil para depor em delegacia e São Paulo
Reprodução/TV Globo
Além disso, no carro de Carlos foi encontrada a cápsula de uma arma que pode ter sido usada para matar Vitor.
O advogado Celso Sanches Vilardi, que defende Anne, reafirmou nesta terça ao G1 que sua cliente continua se declarando inocente das acusações e que “ela foi solta”.
A defesa de Carlos não havia sido localizada para comentar o caso até a última atualização desta reportagem.
Cartucho de bala encontrado no carro de Carlos Alex Ribeiro de Sousa, segundo a polícia
Reprodução/Redes sociais
Casal se conheceu por aplicativo
Anne é conhecida na capital paulista como uma empresária que foi dona de um espaço cultural e de lazer para crianças na Lapa, Zona Oeste.
Além disso, ela também teve negócios no ramo de papelão. Atualmente morava num apartamento luxuoso, na Vila Nova Conceição, na Zona Sul, próximo ao Parque do Ibirapuera.
A empresária Anne Cipriano Frigo, ao lado do namorado Vitor Lúcio Jacinto (centro) e o corretor de imóveis Carlos Alex Ribeiro de Souza (direita).
Montagem/G1
Segundo a polícia, ela conheceu Vitor por meio de um aplicativo de relacionamento. Ele trabalhava como segurança num restaurante.
Além de dar presentes caros ao namorado, como carros de luxo, a empresária, que é formada em direito, mantinha o aluguel da casa onde Vitor residia, em Alphaville, condomínio fechado de alto padrão na Grande São Paulo.
Dois dias após o crime, Anne comemorou seu aniversário com uma grande festa, de acordo com a investigação.
O corretor de imóveis Carlos Alex Ribeiro de Souza, 28 anos, suspeito de matar o namorado da empresária.
Reprodução/Redes Sociais
VÍDEOS: Tudo sobre São Paulo e região metropolitana
A empresária também i em depoimento, entretanto, que o