Imagens postadas em redes sociais mostram uma mulher tentando agredir o rapper. O músico disse que ouviu as ofensas depois de uma discussão política em uma Unidade Básica de Saúde (UBS), na Zona Sul da capital paulista. Um outro homem, Junior Castro, que registrou a ocorrência com o músico, disse que foi chamado de ‘viadinho’ e que eles foram empurrados por uma das mulheres. Rapper Jé Santiago registra boletim de ocorrência por episódio de racismo
O rapper Jé Santiago, 28 anos, do grupo Recayd Mob, publicou vídeos em suas redes sociais para denunciar o racismo que sofreu na fila de vacinação contra a Covid-19 da Unidade Básica de Saúde (UBS) Aurélio Mellone, no bairro de Jardim Celeste, na Zona Sul da capital paulista, na sexta-feira (6).
Em um dos vídeos, quando o rapper conta que a mulher o chamou de “neguinho”, uma delas questiona: “quem te chamou de neguinho, imbecil?”. Em seguida, uma outra tenta agredi-lo. No trecho seguinte, é possível ouvir uma delas falando “favelado”.
O artista registrou um boletim de ocorrência por injúria racial no 26º Distrito Policial, no Sacomã. Nas redes sociais, ele disse que as ofensas começaram depois de uma discussão política. À polícia, Santiago afirmou que a agressora o xingou de “neguinho, favelado e noia”.
Um outro homem, Junior Castro, 25 anos, que também estava na UBS e registrou a ocorrência com o músico, disse que foi chamado de “viadinho que gosta de dar o cu” e que eles foram empurrados por uma das mulheres.
Rapper Jé Santiago, do grupo Recayd Mob
Reprodução/Redes Sociais
A Polícia Militar foi acionada, que orientou o registro da ocorrência. O B.O aponta que Junior caiu e sofreu escoriações nas costas e que Santiago não sofreu lesões aparentes. A Polícia Civil pediu exame ao Instituto Médico Legal (IML).
O caso foi registrado como injúria racial e lesão corporal. Os nomes das suspeitas de racismo não aparecem no boletim de ocorrência.
Ao G1, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) disse que o caso foi encaminhado ao 83º DP, no Parque Bristol, responsável pela área dos fatos.
“As vítimas foram orientadas quanto ao prazo de até seis meses para representarem criminalmente contra as autoras, conforme determina a lei. Assim que houver manifestação, será instaurado inquérito policial”, afirmou a SSP.
O grupo Recayd Mob, do qual Jé Santiago faz parte, tem mais de 1,2 milhão de inscritos no YouTube – um dos clipes do grupo de trap, que é vertente do rap, tem 39 milhões de visualizações. Santiago também já gravou uma música com o rapper Emicida.
VÍDEOS: Tudo sobre São Paulo e região metropolitana