Campanha ‘Novembro Azul’ faz um alerta para os cuidados com a saúde do homem. Campanha Novembro Azul busca conscientizar homens sobre a importância de cuidar da saúde
Uma estimativa do Instituto Nacional do Câncer (Inca) aponta que o Brasil deve ter 65,8 mil novos casos de câncer de próstata neste ano. Esse tipo de câncer é o segundo mais comum entre os homens e, por isso, a campanha “Novembro Azul” faz um alerta para a importância do cuidado com a saúde masculina.
Embora os dados sejam preocupantes, muitos casos têm cura quando o diagnóstico é feito de maneira precoce. No entanto, para que isso ocorra, é preciso deixar o preconceito de lado e fazer os exames de rotina, antes mesmo do surgimento de qualquer sintoma.
O servidor público Wagner Luiz Urizzi Fernandes, de Mogi das Cruzes, tem um cuidado com a saúde de dar inveja. Aos 64 anos, ele é daqueles que está sempre indo ao médico para deixar os exames em dia. O de próstata, por exemplo, já está marcado.
“Não tenho condições de pagar no momento. Tentei, procurei na internet e achei, que os postos de Mogi estavam fazendo. Já liguei, fui pessoalmente, me identifiquei e foi marcado”.
Sem preconceitos, paciente de Mogi das Cruzes fala sobre importância da prevenção ao câncer de próstata
Reprodução/TV Diário
Já são tantos anos fazendo a prevenção que o Wagner até perde a conta. Ele diz que, no começo, tinha que encarar o preconceito e as piadas de gosto duvidoso. Mesmo assim, nunca teve dúvida de que era a coisa certa a fazer. Para ele, a saúde vem em primeiro lugar.
“As mulheres se cuidam e como se cuidam muito bem. Por que o homem vai deixar de se cuidar? Ele não vai deixar de ser homem. Se fazer o exame de toque, seja o que for o exame de próstata. Eu não tenho vergonha. A pessoa ter vergonha de cuidar da sua saúde? Você aguenta brincadeira no seu serviço, no seu lugar de trabalho, na rua, na família. Eu deixo para lá. Eu penso na saúde”.
“Como uma pessoa vai amar outra pessoa se ele não ama ele mesmo? Ele tem que se amar. Tem que procurar o melhor para ele. A saúde é em primeiro lugar”, destaca Fernandes.
De acordo com o Ministério da Saúde, o câncer de próstata é a causa da morte de 28% da população masculina que desenvolve tumores malignos. Em média, a cada 38 minutos, um homem morre vítima da doença. Por isso, campanhas como o novembro azul são fundamentais para dar visibilidade à causa.
O oncologista Ricardo Motta explica que o exame do toque retal, indispensável para descobrir o câncer no início, ainda é tabu para muita gente. Porém, lembra que é graças a ele que muitas vidas são salvas, já que o câncer de próstata não apresenta sintomas.
“Muitas vezes chega em nossas mãos, oncologistas, a doença chega avançada porque o homem demora muito em procurar os exames que poderiam dar a ele um diagnóstico precoce da doença”, explica.
Campanha ‘Novembro Azul’ faz alerta para os cuidados com a saúde do homem
Reprodução/TV Diário
“A próstata é uma glândula situada entre a bexiga e o canal da urina, chamado uretra. Ela envolve o canal da urina. Pelo seu crescimento, de maneira benigna, esse crescimento vai fazer com que haja uma dificuldade para que o paciente urine, na sua miccção. Quando esse crescimento começa a ocorrer a partir dos 50 anos, algumas células podem apresentar mutação”, diz o médico.
“Em alguns pacientes, um a cada 100 homens, apresentarão câncer de próstata a partir dessa faixa etária da vida. Então, sintomas irritativos urinários são os mais frequentes. Lembrando que a doença cresce muito lentamente. Então, não vamos esperar que os sintomas aconteçam para procurar um médico”, completa.
O médico diz que o ideal é começar a fazer o exame a partir dos 50 anos, mas quem tem casos na família ou apresenta algum dos fatores de risco, como obesidade, deve começar mais cedo. Homens negros também são mais suscetíveis.
“O médico oncologista é capaz de quantificar a doença do paciente e escolher o seu tratamento. O tratamento pode ser cirurgia, pode ser radiotereapia, tratamento hormonal ou tratamento combinado. O que é o tratamento combinado? É a cirurgia, combinado com a quimioterapia e, muitas vezes, a hormonioterapia”.
“A grande mensagem que eu tenho que dá é que o câncer de próstata, os avanços da medicina são surpreendentes, onde acontece mais estudos, onde acontecem mais novos medicamentos. Câncer de próstata não é sinal de que está tudo perdido. O homem tem muito tratamento para transformar essa doença ou na cura ou em uma doença em que ele possa viver anos com ela de uma maneira sem sintomas”.
Assista a mais notícias