Segundo estudo da Usp e Unesp, cada 100 pessoas com coronavírus podem transmitir para outras 184 pessoas. Região do Vale fica atrás apenas de Presidente Prudente. Taxa de disseminação da Covid-19 no Vale do Paraíba é a 2ª maior do Estado, aponta estudo
Um estudo da Usp e da Unesp aponta que a taxa de disseminação do coronavírus no Vale do Paraíba é a segunda maior do Estado de São Paulo. A região registrou mais de 57, mil casos e 1,4 mil óbitos por Covid-19.
Segundo os dados, atualizados nesta terça-feira (24), a taxa de disseminação na região é de 1,84, o que significa que cada 100 pessoas com o coronavírus transmitem para mais 184.
O índice aponta se a disseminação do vírus está aumentando ou diminuindo com base em modelos matemáticos. Abaixo de um, significa que está diminuindo. Já acima de um, acima indica que está aumentando.
MAPA DO CORONAVÍRUS: as cidades com infectados e o avanço dos casos
Internações por Covid-19 crescem 17% no estado de SP, na 2ª semana seguida de alta
O estudo leva em contato dados coletados desde março e acompanha a evolução da doença em todo o estado de São Paulo.
Na metodologia, são analisados os dados de casos confirmados, de mortes e de recuperados informados pelas prefeituras. Com base em modelos matemáticos, os pesquisadores conseguem entender qual o estágio atual de contágio e fazer projeções de curto prazo.
Taxa de disseminação da Covid-19 no Vale do Paraíba é a 2ª maior do Estado – 24/11
Reprodução
O dado de taxa de reprodução divulgado nesta terça-feira (24) é de 1,84 no Vale do Paraíba. A região só fica atrás da região de Presidente Prudente, que tem taxa de 1,96.
De acordo com os pesquisadores, o número no Vale indica que a cada grupo de 100 pessoas com o vírus, pode transmitir para até 184 pessoas. A projeção ainda aponta que o índice pode chegar a 2,31 até 1° de dezembro.
“A tendência é que, se uma medida não for tomada, a infecção pode ficar descontrolada de novo. Hoje, os dados na região já mostram que uma pessoa infecta mais de uma. Precisamos que o poder público tome uma medida para reforçar o distanciamento social ou corremos o risco de vermos cenários de crescente da doença como no início do ano”, explica a Marilaine Colnago, pesquisadora e matemática da plataforma.
Pesquisadores alertam para risco de flexibilização aumentar índice de contaminação
Reprodução / TV Vanguarda
Os dados mostram que até 11 de novembro o número era abaixo de um, o que indicava redução na transmissão. Os dados vinham controlados desde setembro, quando houve a baixa no número de casos.
O número evoluiu de 1,02 de taxa de disseminação para 1,84 em apenas 12 dias.
“Isso acontece porque enquanto não tivermos as pessoas sendo imunizadas, o vírus continua circulando. A vida parece estar normal, mas ainda há um vírus mortal circulando e precisamos tomar medidas para proteger uns aos outros”, comentou Marilaine.
Secretário de saúde de São José dos Campos fala sobre o aumento na taxa de ocupação
Veja mais notícias do Vale do Paraíba e Região