Decreto foi publicado pela prefeitura nesta quinta-feira (12) e Executivo está fazendo levantamento de quem não se imunizou ainda contra o coronavírus. Vacinação contra Covid-19 passa a ser obrigatória para servidores de Hortolândia
A Prefeitura de Hortolândia (SP) determinou que será obrigatória a vacinação contra Covid-19 de todos os servidores, estagiários e empregados de empresas terceirizadas que trabalham, direta ou indiretamente, ligados a órgãos municipais. O decreto com a medida foi publicado no Diário Oficial da cidade nesta quinta-feira (12).
Em abril deste ano, o então prefeito, Angelo Perugini morreu vítima da Covid-19. Ele tinha 65 anos, ficou dois meses hospitalizado e não teve a oportunidade de tomar a vacina. Outros servidores de diversas secretarias municipais também morreram por causa do coronavírus, alertou a administração.
Quem se recusar a tomar a vacina e não tiver uma justificativa para não receber a aplicação, poderá perder o emprego.
“Ficará dispensado de comparecer à convocação da vacinação contra o Coronavírus – Covid-19, o servidor que, comprovadamente, seja portador de comorbidade que impeça o uso do imunizante, com laudo médico devidamente periciado pelo Departamento de Saúde Ocupacional”, informou a prefeitura.
A cidade já soma 679 mortes e 23.410 casos confirmados de coronavírus.
Vacina contra a Covid-19 será compulsória para trabalhadores ligados à administração municipal de Hortolândia
Lucilia Guimarães/SMCS
Atualmente, 4.804 servidores trabalham na prefeitura – são efetivos, comissionados, agentes políticos, conselheiros tutelares e estagiários.
Servidores da Câmara Municipal, do Instituto Municipal de Previdência Social de Hortolândia (Hortoprev) e quem trabalha para empresas prestadoras de serviço, contratadas ou conveniadas – recepcionistas e auxiliares de limpeza, por exemplo -, estão incluídos na vacinação compulsória.
Falta disciplinar para quem recusar
Além dos trabalhadores não poderem escolher o fabricante da vacina que vão tomar contra o coronavírus, a prefeitura ressalta que a recusa sem uma justificativa “caracteriza falta disciplinar do servidor ou do empregado público, passível das sanções previstas na Lei nº 2.004 de 07 de fevereiro de 2008. Deste modo, quem se recusar, poderá responder a processo administrativo.”
Um levantamento sobre o número de empregados que já tomaram a vacina e os que ainda estão com a imunização pendente está sendo feito pela Secretaria de Administração e Gestão de Pessoal de Hortolândia. A convocação para a regularização da vacina contra Covid-19 será feita pela prefeitura.
VÍDEOS: veja o que é destaque na região de Campinas
Veja mais notícias da região no G1 Campinas