Meta da unidade, um dos centros de testagem do imunizante da farmacêutica Johnson & Johnson’s, é aplicar as doses da fase 3 de testes em 1 mil voluntários. Triagem está em andamento e cadastro de interessados pode ser feito online. Testes da vacina da Johnson já foram feitos em 200 voluntários da região de Campinas
Reprodução
O Hospital PUC-Campinas (SP) completou nesta sexta-feira (20) 200 testados na fase 3 da vacina contra a Covid-19 produzida pela farmacêutica Johnson & Johnson’s. Diretor do Centro de Pesquisa do hospital, Danilo Villagelin disse ao G1 que voluntários estão bem e que reações foram mínimas e pontuais, como dor no corpo, mal-estar e febre eventual.
“O resultado agora é bem positivo. Esses pacientes que entraram no estudo, que receberam ou a vacina ou o placebo, estão bem de saúde. Os que tiveram reações, foram reações mínimas e pontuais, como dor no corpo, mal-estar, eventualmente uma febre. Mas todos os sintomas demoraram menos de 24 horas para passar, passaram com antitérmicos gerais, nada específico.”, explicou o médico à frente da testagem.
A vacina desenvolvida pela empresa do grupo Janssen Pharmaceuticals, a Ad26.COV2.S, é de dose única, e os testes estão sendo realizados não só com profissionais de saúde, mas também com estudantes e moradores de Campinas e região de outras profissiões.
Profissional de saúde realiza exames laboratoriais de voluntários
Imprensa/Hospital PUC-Campinas
Até esta quinta (19), 4.157 pessoas já tinham se cadastrado para a triagem de voluntários. A meta é que o teste alcance 1 mil pessoas. Os cadastros seguem abertos e são feitos online no site do Hospital da PUC.
“Agora, o nosso foco vai ser principalmente naqueles pacientes maiores de 60 anos, que podem ou não ter comorbidades. As pessoas que desejarem ser voluntárias, podem se cadastrar no site do Hospital da PUC que vão ser chamados pela nossa equipe do centro de pesquisa.”, informou Danilo Villagelin.
Entre os 200 primeiros testados, já há alguns idosos, segundo a unidade, e também moradores das cidades de Sumaré, Hortolândia e Jaguariúna, além da metrópole.
Hospital PUC Campinas integra os centros de testagem da fase 3 da vacina da Johnson contra a Covid-19.
Crislaine Gava/Hospital PUC Campinas
Quem pode participar do estudo?
Pessoas na faixa de 18 e 59 anos.
Pessoas acima de 60 anos – cadastro foi liberado após solicitação da Johnson.
Profissionais da saúde e de outras áreas.
Pessoas que testaram positivo para coronavírus e também as que não tiveram contato com o vírus.
Pessoas com ou sem comorbidades.
Não podem participar:
Gestantes e mulheres que amamentam.
Menores de 18 anos.
Mulheres que planejam ficar grávidas no próximo ano.
Pessoas em tratamento para câncer.
Pessoas que usam medicamentos com alta dose de corticóide.
Selecionada para testes
No dia 1 de outubro, a unidade hospitalar divulgou que foi selecionada para integrar o estudo da fase 3 do imunizante contra o novo coronavírus.
O primeiro grupo de cadastramento de voluntários focava em pessoas com idades entre 18 e 59 anos. Desde o início de novembro, o Hospital PUC-campinas divulgou a abertura de inscrições de voluntários acima de 60 anos.
De acordo com a instituição, desde o início da fase 3 na unidade, a Johnson enviou pouco mais de 200 doses, de acordo com o número de participantes. Não são enviadas todas as doses esperadas de uma só vez.
Suspensão e retomada da fase 3
Os testes da fase 3 da vacina da Johnson foram suspensos em 12 de outubro depois de uma “doença inexplicada” em um participante do estudo nos Estados Unidos.
Na ocasião, a Johnson divulgou um comunicado oficial informando que “eventos adversos – doenças, acidentes etc – mesmo aqueles graves, são uma parte esperada de qualquer estudo clínico, especialmente grandes estudos”.
Vacina produzida pela farmacêutica Johnson & Johnson’s contra o coronavírus está na fase 3.
GloboNews/Reprodução
A retomada na pesquisa foi autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 3 de novembro.
Segundo a Anvisa, após avaliar os dados do “evento adverso” visto no participante americano e as informações do Comitê Independente de Segurança e Dados da autoridade regulatória dos Estados Unidos, a FDA, a agência concluiu que “a relação benefício e risco se mantém favorável e que o estudo poderá ser retomado”.
O estudo da Johnson no país está sendo conduzido em 11 estados, com previsão de envolver até 7.560 pessoas com mais de 18 anos.
Em setembro, a farmacêutica divulgou resultados preliminares – das fases 1 e 2 – sobre a vacina Ad26.COV2.S ser segura e capaz de induzir resposta imune com uma única aplicação.
A Ad26.COV2.S, é uma das quatro que receberam autorização para testes de fase 3, a última, no Brasil. As outras são a de Oxford, a da Pfizer-BioNTech e a da Sinovac.
Veja mais notícias da região no G1 Campinas